Desafio receita saudável 2.




Daqui a pouco tempo celebramos o terceiro aniversário do primeiro Desafio Receita Saudável e não há maneira melhor do que revivermos as alegrias que este passatempo nos trouxe do que realizando outro, não vos parece?!

Porém, desde Abril de 2014 que muita coisa mudou e este desafio vai reflectir precisamente essa mudança. Para já vamos tornar a definição de "saudável" num conceito mais abrangente, já que este não é uma camisola tamanho único tipo "one size fits all". O que eu considero saudável pode não ser o que a vizinha do lado valoriza. Primeiro somos pessoas diferentes, com diferentes organismos que reagem de maneiras distintas aos estímulos, sejam eles físicos ou psicológicos. Depois, há um grande grau de subjectividade no que eu considero que me faz bem a mim e no que ela valoriza por seu lado. Para mim evitar o consumo de carne pode ter consequências extremamente benéficas - sinto-me mais leve, com mais energia, a minha consciência fica mais tranquila sabendo que me estou a abstrair de causar sofrimento aos animais e isso reflecte-se na maneira como encaro aquela refeição... -, mas para ela estar um mês sem tocar em álcool pode ser a resposta para reajustar as suas prioridades. Há quem jure a pés juntos que os sumos verdes lhe dão energia, já eu tenho em consideração algumas regras antes de preparar um smoothie, senão já sei que a coisa corre mal. Há um sem fim de variações e de interpretações consoante as características fisiológicas de cada um e a nossa história individual, mas há também constantes que podemos identificar que, apesar das variações, não retiram a especificidade de cada experiência.

Quero que atentem bem numa premissa para este desafio. O objectivo não passa por criar uma parada de receitas sem açúcar, sem glúten, sem ingredientes de origem animal, mas se a vossa noção de saudável passar por isso, tudo certo por mim. Justifiquem-no com uma história, um apontamento divertido. Ou então contem-me como um bolo tradicional, uma receita de família que aprenderam a fazer na cozinha das vossas avós, vos faz sentir feliz. E se essa receita levar farinha e açúcar branco? Bom, não é de todo o ideal, mas certamente que uma fatia não fará mal. E as memórias que esta vos traz... não há quilos de farinha integral no mundo que substituam as saudades que eu tenho de fazer bolos com a minha Avó, de ver as suas mãos cheias de rugas ensinar-me com amor como se alimenta e constrói uma família. 

Vamos reflectir de uma maneira consciente no que nos nutre, corpo e mente. Vamos saborear e agradecer cada uma das receitas que trouxerem para a segunda edição deste desafio relacionando com o modo como cada um, à sua maneira única, individual e particular se alimenta de uma maneira saudável. Não quero que façam uma receita de propósito com ingredientes XPTO para deixar todos os restantes participantes de boca aberta. Para mim, menos é mais. Às vezes complicamos muito e deixamos que alguma ansiedade desnecessária entre nas nossas cozinhas e já se sabe - isso não é nada saudável. Mas se me explicarem como é que um investimento num pacote de maca ou açaí vos faz sentir mais conectados com a vossa saúde, encantada. 

Peço-vos apenas que fujam de ingredientes demasiado processados e gorduras hidrogenadas. O açúcar também é secundário, se conseguirem encontrar alternativas mais saudáveis. É que ninguém precisa disso, não alimenta verdadeiramente e deixa-nos a todos cheios, pesados e maldispostos. Em última instância retira-nos qualidade de vida e não nos nutre nem por fora, nem por dentro. 

Por outro lado, há tantas atitudes e ingredientes que correm a internet e são apresentados como saudáveis dos quais eu fujo a pés juntos que gostava muito de conhecer o que é que para cada um de vós é positivo. Será que contar calorias, viver em restrição, exagerar no exercício físico e fugir de tudo o que possa ser considerado "pouco saudável" é a solução? Inspirem-se num hábito alimentar recentemente adquirido e que vos faz olhar para a alimentação - ou para a vida no geral - de maneira mais positiva. Como, por exemplo, acordar mais cedo para poder ter tempo de fazer umas deliciosas panquecas ou tomar o pequeno almoço sem pressas. Começaram a correr e descobriram que alimentos melhoram a vossa performance? Decidiram plantar a vossa horta na varanda e gostariam de me mostrar a primeira receita com uns débeis pimentos da primeira colheita que vos deixam super orgulhosos? E em que maneira é que esse comportamento pode ser considerado saudável? Como é que a procura por uma alimentação consciente impactou a vossa rotina diária? Alinham em dietas ou preferem investir na reeducação alimentar? Têm um blogue mas nunca se aventuraram a publicar uma receita? Participem! Contem-me tudo!!

Como podem ver, há 1001 maneiras de abordar este desafio. Sejam criativos e inspirem-se na edição anterior quando enviarem as vossas participações. O desafio começa a 1 de Fevereiro com a minha participação (e a minha noção de saudável) e já temos inscrições até Março, sendo que sai uma receita a cada quarta feira: a introdução aqui, a receita e a respectiva história no blogue convidado. No entanto se quiserem participar ainda vão a tempo! Enviem um email para lim.edition2012@gmail.com ou deixem um comentário em baixo para vos informar do calendário ou para tirar dúvidas. Podem participar com o vosso blogue, em nome individual, com a vossa conta de instagram... Partilhem esta publicação para reunirmos o máximo de interessados em participar e podermos todos aprender uns com os outros.

Tal como na primeira edição, não há vencedores nem vencidos, não há prémios em parceria com patrocinadores nem obrigação de fazerem like seja onde for. Vamos conduzir este desafio numa lógica de economia de partilha, em que cada um participa com o seu conhecimento e ganhamos todos com isso. Uma espécie de Uber das saladas, se preferirem. 

Então, estão todos a postos?!





Comments

Popular Posts